3 de março de 2015
5 razões pelas quais impeachment de Dilma é improvável, segundo brasilianistas
‘Usam Whatsapp para pedofilia, tráfico e assaltos’, diz delegado que pede bloqueio do app
Saiba quais são os carros que mais matam
Mural de Recados
Clique aqui para ver todos

Um clima de fim de feira varre o país de ponta a ponta apenas dois meses após a posse da presidente Dilma Rousseff do PT para o seu segundo mandato.

Feirantes e fregueses estão igualmente insatisfeitos e cabisbaixos, alternando sentimentos de revolta e desesperança.

Em Cabrobó e regiaão foram demitidos 2.500 pessoas da transposição.Acabou o comércio.

Esta é a realidade.
Não adianta desligar a televisão e deixar de ler jornais nem ficar blasfemando pelas redes sociais.
Estamos todos no mesmo barco e temos que continuar remando para pagar nossas contas e botar comida na mesa.

Nunca antes na história da humanidade um governo se desmanchou tão rápido antes mesmo de ter começado.
Para onde vamos, Dilma?
Cada vez mais gente acha que já chegamos ao fundo do poço, mas tenho minhas dúvidas se este poço tem fundo.

Só desespero.

Fevereiro se despediu deixando um rastro negativo na economia e uma conta salgada para o trabalhador.
Entre as medidas amargas tomadas pelo Governo Federal do PT estão o aumento de impostos, o reajuste dos combustíveis, a alta extra na tarifa de energia e mudanças em benefícios sociais como seguro-desemprego, auxílio-doença, abono salarial e pensão por morte, sendo que estas últimas começam a valer a partir desta segunda feira.
É coice!

Quem paga a conta? O trabalhador abstado.

O ex-gerente da PETROBRÁS, Pedro Barusco, em sua delação premiada, afirmou à Polícia Federal que o esquema rendera ao PT entre US$ 150 milhões e US$ 200 milhões entre 2003 e 2013, só a parte dele e imagine os outros.
PT?
Nunca mais!

Os ratos na PETROBRAS.

O Campeão ficou: Cabrobó perde para Abaré por 3 a 0 em estreia na Copa
Cabrobó e a equipe de Abaré. O duelo entre pernambucanos e baianos lotou a arquibancada do Ginásio do Sesc. Dentro de quadra, os times não desapontaram as torcidas e fizeram um jogaço. Os contra-ataques marcaram o primeiro tempo, bastante equilibrado, graças ao alto nível técnico das duas equipes. Mas, apesar das boas oportunidades criadas, existia um jogador de destaque nos dois times, o goleiro. O experiente Cícero do Cabrobó fez milagre e impediu que o Abaré fizesse alguns gols.

Copa TV Grande Rio

Pelos cálculos do presidente da Confederação Nacional dos Municípios, Paulo Ziulkoski, a União deve às prefeituras de todo o país cerca da R$ 35 bilhões.

O dinheiro seria correspondente ao não pagamento de emendas parlamentares e a convênios firmados com os municípios e não honrados pelo governo federal nos últimos seis anos.

“Diante da crise que estamos passando, o fato de o governo não liberar os recursos previstos nos contratos atinge as prefeituras de forma assustadora. As consequências para a população são enormes. São inúmeras obras paralisadas, incluindo reformas e construção de escolas, postos de saúde, pontilhões. Até pagamento para compra de ambulância está atrasado”, afirma Ziulkoski, que citou também atrasos em obras previstas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

O governo federal, leia-se Dilma Rousseff, deve 35 bilhões aos municípios

Ultimas Noticias


Programado para o dia:
5 razões pelas quais impeachment de Dilma é improvável, segundo brasilianistas
Programado para o dia:
‘Usam Whatsapp para pedofilia, tráfico e assaltos’, diz delegado que pede bloqueio do app
Programado para o dia:
Saiba quais são os carros que mais matam

A série de problemas enfrentados pela presidente Dilma Rousseff neste início de segundo mandato já foi indicada por alguns como sinal de ameaça ao seu governo.

Na semana passada, um blog publicado no site do jornal britânico Financial Times listou 10 motivos para acreditar que Dilma poderia sofrer impeachment, entre eles as investigações de corrupção na Petrobras, a economia em baixa, a crise no abastecimento de água e energia e o menor apoio no Congresso.

No entanto, para cientistas políticos consultados pela BBC Brasil, esse não é um cenário realista e, apesar dos problemas, no momento não há razão para considerar a possibilidade de que Dilma não termine seu mandato.

Abaixo, seis motivos pelos quais os brasilianistas consideram improvável um processo de impeachment no Brasil:

1 – Até o momento, não há base para impeachment

Para os analistas entrevistados pela BBC Brasil, apesar dos graves problemas enfrentados pelo governo, não está claro qual seria a base para um processo de impeachment.

“Há tensões dentro do governo, tensão entre Lula (o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva) e Dilma, entre o PT e (o novo ministro da Fazenda) Joaquim Levy. A polarização no Brasil está ficando muito forte, entre o PT e a oposição, entre o Congresso e a presidente”, enumera Peter Hakim, presidente emérito do instituto de análise política Inter-American Dialogue, em Washington.

“Mas a pergunta que eu tenho é como o processo de impeachment seria iniciado, qual seria a base para impeachment”, questiona.

Segundo Hakim, até o momento não parece haver nada que possa desencadear um processo de impeachment. Ele ressalta que acusações de “incompetência”, por si só, não são motivo para impeachment.

O cientista político Riordan Roett, diretor do programa de estudos da América Latina da Universidade Johns Hopkins, em Washington, lembra que nos Estados Unidos a ameaça de impeachment também costuma ser mencionada com frequência.

“O impeachment nunca está fora de questão. Os conservadores do Tea Party estão sempre falando em impeachment no Congresso americano, mas obviamente isso não vai acontecer”, compara.

“(No caso do Brasil) penso que é muito cedo para sequer pensar sobre a possibilidade de um processo sério de impeachment.”

2 – Não há evidências de envolvimento de Dilma no escândalo da Petrobras

O escândalo de corrupção na Petrobras, que já provocou o rebaixamento da nota da empresa pela agência de classificação de risco Moody’s, é considerado por Hakim o principal problema enfrentado por Dilma no momento.

Mas ele e outros analistas ressaltam que nada indica que a presidente – que esteve à frente do Conselho de Administração da empresa entre 2003 e 2010 – tenha tido algum tipo de envolvimento ou soubesse dos casos de corrupção.

“Até o momento, não há evidência de que Dilma seja culpada de nada além de má administração (no caso da Petrobras)”, diz o cientista político Matthew Taylor, pesquisador do Brazil Institute, órgão do Woodrow Wilson Center e professor da American University, em Washington.

Taylor observa que, assim como no escândalo do Mensalão muitos dos membros mais céticos da oposição diziam na época que o então presidente Lula deveria saber do que ocorria, no caso da Petrobras é possível que muitos digam o mesmo de Dilma, que seus laços com a empresa eram tão estreitos que ela deveria saber do esquema de corrupção.

“Mas em uma grande organização como essa, é bem plausível que ela simplesmente não tenha investigado mais profundamente o que poderia estar ocorrendo”, afirma.

“Até agora não há qualquer sugestão nos documentos que se conhece de que Dilma seja culpada de qualquer comportamento criminoso”, diz Taylor.

3 – A oposição não tem interesse em um processo de impeachment

Segundo os analistas ouvidos pela BBC Brasil, a oposição não teria condições e nem tem interesse em levar adiante um processo de impeachment.

“Não acho que o PSDB teria muito a ganhar. Além disso, precisaria do apoio do PMDB e de outros partidos na coalizão do governo. E, francamente, nenhum desses partidos gostaria de ver Dilma sofrendo um impeachment”, afirma Taylor.

“Eles têm muito a ganhar com uma Dilma enfraquecida”, observa. “Talvez seja melhor para a oposição simplesmente deixar Dilma mergulhada na crise e deixar que ela tome as difíceis medidas de austeridade e ser responsabilizada por elas.”

4 – Apoio no Congresso

Dilma enfrenta dificuldades em sua relação com o Congresso e com a própria base aliada, em um momento em que o PT e o PMDB, apesar de terem as maiores bancadas, perderam cadeiras nas últimas eleições, que também foram marcadas por uma maior fragmentação do Congresso.

“Uma das questões cruciais para Dilma é lutar contra a oposição que há no Congresso ao plano de ajuste fiscal. Mas ela está em uma posição enfraquecida, porque não é popular, o PT tem menos membros no Congresso, há mais partidos pequenos”, enumera Roett.

Apesar das dificuldades, os analistas ressaltam que a estrutura de apoio de Dilma é muito mais forte do que a do ex-presidente Fernando Collor de Mello, alvo de impeachment em 1992.

“Collor estava implementando políticas que eram de certa maneira radicais, que iam contra a maioria dos eleitores, e estava fazendo isso em um contexto em que seu partido tinha menos de 3% do Congresso”, diz Taylor

5 – Dificuldades em toda a América Latina

A avaliação dos analistas é de que, apesar de graves, os atuais problemas não são exclusividade do Brasil. Muitos países da América Latina também enfrentam um período de escândalos e economia em queda.

“Não é como se o Brasil estivesse sozinho”, observa Hakim.

Ele cita os casos de México, Venezuela, Peru, Chile e Argentina, onde os presidentes também atravessam um momento de fraca popularidade.

“Se no Brasil a inflação chega a 7,3% nos últimos 12 meses, na Argentina está em torno de 40%, e na Venezuela perto de 70%”, diz Hakim.

“A confiança do investidor está em baixa em toda a América Latina.”

Exagero

Para Hakim, há um certo exagero quando se fala na possibilidade de impeachment de Dilma.

“Ninguém falava em impeachment de Fernando Henrique Cardoso por causa da crise do apagão. Ninguém falava em impeachment de Lula por causa do Mensalão”, lembra.

O analista reconhece que Dilma está enfrentando problemas em várias frentes, mas afirma que esses problemas não são incomuns em governos com a economia em baixa.

“Lembra quando todos falavam que o Brasil era um foguete em direção à lua, que ninguém segurava o Brasil? Aquilo foi dramaticamente exagerado. Agora, o suposto desastre enfrentado pelo Brasil também está sendo exagerado. Pode estar prestes a enfrentar um pouco de turbulência, mas não se compara à situação da Argentina ou da Venezuela”, afirma Hakim.

Taylor diz que o escândalo da Petrobras o deixa “cautelosamente otimista”.

“Quando se pensa no Brasil e nas experiências da América Latina, em quantos outros países você prenderia alguns dos mais importantes empresários e consideraria a possibilidade de prender alguns dos mais importantes políticos? E, mesmo eu não achando um cenário realista, a própria contemplação de impeachment de uma maneira válida institucionalmente. Isso tudo aponta para a força da democracia brasileira, não fraqueza.”